Sete hábitos que podem arruinar a sua carreira no Áudio

Há muitas regras não escritas em qualquer ramo, e o nosso não é exceção.

Saiba como algumas pessoas parecem ser “OS CARAS”, que dão certo em tudo que se metem, enquanto outros são totalmente sem noção.

Tenho observado pessoas que tentam fazer sua carreira neste mercado, e você pensa: “Esse cara nunca vai a lugar nenhum por causa de fatores X, Y e Z”. Assim como eu, os formadores de opinião e pessoas com PODER podem estar observando essas pessoas dessa mesma forma.
Veja abaixo uma lista de coisas que todo profissional deve levar em conta para dar certo no mercado.

7) Falso Conhecimento (ou Sabichão).
Em outras palavras, pensar que sabemos as coisas que realmente não entendemos a fundo. Nosso mercado parece repleto de “Expert’s”. Pessoas que professam saber TUDO sobre áudio, microfones sem fio, “line array’s” ou todas as opções anteriores, mas no fundo não sabe nenhum dos assuntos profundamente. Em alguns casos o pseudo conhecimento ou a falta de compreensão básica dos assuntos chega simplesmente a ser irritante.

Pensem bem! Falta de conhecimento ou a aplicação errônea de procedimentos podem, em primeiro lugar, machucar pessoas ,danificar equipamentos ou pior, você pode perder o emprego – ou todas as anteriores. Assim, a minha sugestão é realmente gastar tempo aprendendo os fundamentos de modo que quando você ouvir outros berrando falsos conceitos, você poderá distinguir entre o certo e o errado.

Mas não seja arrogante sobre o que você sabe. Basta estar confiante e procurar oportunidades para fazer coisas da maneira correta. Sua oportunidade chegará…

6) Arrogância.
Parece que as pessoas mais arrogantes do nosso mercado são os que realmente não tem o conhecimento. Acho que isso é porque no fundo, essas pessoas sabem que mesmo tendo chegado tão longe, sua carreira se parece com um castelo de cartas e, em algum momento, tudo vai desmoronar. Vamos evitar a psicologia “pop” e manter o foco.

Uma das primeiras reações deste tipo de pessoa, quando algo dá errado, é culpar o equipamento e/ou aqueles ao seu redor, com uma certa predileção por aqueles que estão abaixo na sua hierarquia (pobres estagiários / iniciantes ). Mas uma maneira de ganhar respeito, na minha opinião, é admitir a culpa e procurar maneiras de resolver o problema.

Infelizmente, no nosso negócio, atitude e confiança são frequentemente confundidos com o verdadeiro conhecimento e capacidade. Eu sempre notei que alguns dos melhores e mais brilhantes em nossa indústria são também muito humildes. Eles não sentem que tem algo a provar. Apenas nos deslumbram com o seu conhecimento, habilidade, e mais importante, os resultados.

Postura arrogante, por outro lado, acabará afastando todos e, certamente, vai lhe preparar para a grande queda.

5) Enrolar Cabos de Mic no cotovelo.
Pode parecer básico, mas é essa mesma a intenção que queremos mostrar. Na verdade o que queremos dizer é que há maneiras certas e erradas de fazer as coisas, e você precisa saber a diferença.

Um novo engenheiro de sistemas ou técnico de monitor pode querer fazer as coisas de forma diferente do último cara que trabalhava. Desde que funcione tudo da maneira esperada não haverá problemas. Preste atenção! Se você tiver dúvidas, não saia achando que você sabe as respostas ou que um dos “roadies” da nova “GIG” vai orientar você no caminho das pedras.

Seja humilde e pergunte às pessoas envolvidas como fazer essas coisas específicas. Então, escute cuidadosamente e não pergunte novamente – apenas faça direito.

4) Preste Atenção…
Ninguém no comando de uma equipe – seja cenário, iluminação, áudio, etc – quer perder tempo cobrando a um profissional, as coisas que ele deveria executar.

Ter que cobrar a um profissional as suas obrigações para um gestor (seja ele o produtor ou mesmo o seu artista) é considerado perda de tempo e mostra que você não está dando a devida atenção as suas funções. Ou você está ingerindo ou fumando substâncias que diminuem a sua memória. No caso da segunda opção certamente você estará fora da próxima turnê…

Equipes precisam funcionar de forma eficiente, e se você não é parte da solução, você é parte do problema.

3) NUNCA discutir com o CLIENTE / ARTISTA.
Recomenda-se não entrar nesse tipo de discussão direta, mesmo que você esteja totalmente certo.

Há egos envolvidos, e raciocínio irracional. Você pode ter toda a lógica do mundo atrás de seu argumento, mas mesmo assim você ainda vai perder.

Quando tiver um problema com um artista, ou algo que tem a ver com a gestão da equipe, leve a questão para seus superiores e peça que ele interceda em seu favor.

Muitas vezes, o técnico de PA ou de monitor tem uma aproximação maior com o artista e pode ajudar intercedendo a seu favor para resolver o problema. Mas se a situação se voltar para você e tiver que confrontar o artista, a melhor saída e engolir o sapo. E fim de papo!

2) Falta de Iniciativa.
Este é um tópico de grande importância. Se alguém precisa lhe dizer a cada momento o que você deve fazer, você não vai ter esse trabalho por muito tempo.

Realmente vale a pena descobrir o núcleo de suas funções de forma rápida e sem um monte de perguntas (ver itens 4 e 5).

Uma vez que você tenha acabado com suas funções básicas, você deverá procurar formas de ajudar a equipe, a fazer as outras coisas, ou pensar como fazer seu trabalho melhor ou de forma mais eficiente.

Você deve ter cuidado ao “PENSAR” como melhorar a forma de fazer determinadas coisas. Algumas delas tem um porquê de serem feitas da forma como são feitas. A sua iniciativa não deve lhe transformar num “Sabe Tudo” (ver item 7).

Se você está pensado em “somente matar o frango” e por o pagamento no bolso, então você não está no caminho correto para crescer como profissional.

1) Não conhecer o seu lugar.
Isso está relacionado ao item 3 , sejamos mais específico: Deus pode lhe ter dado o dom místico de ser um excelente técnico de PA, mas se você está contratado como “roadie” ou assistente técnico, então é melhor você dar 100% na sua área.

Bancar o “Sabe Tudo” insinuando ser melhor que o profissional que esta no PA é, no mínimo, antiético.

Você pode não perceber, mas existem razões para que cada membro da equipe seja contratado para a sua função. Não queira atropelar ninguém para conseguir uma promoção.

No entanto, se você surpreender seus colegas de trabalho e superiores com a sua eficiência, iniciativa, trabalho duro, dedicação e lealdade, você pode muito bem ser promovido. Pode acontecer, mas isso vai acontecer com o tempo.

Tentar obter projeção puxando o tapete das pessoas – literalmente ou figurativamente – vai ter um efeito oposto e irá abreviar a sua carreira. Entretanto, se você passar a cuidar dos colegas de equipe e fazer o seu melhor para ficar longe de fofocas e intrigas, são o segredo da longevidade profissional.

Equipes são como famílias, e a última coisa que você precisa é ser pego em alguma situação embaraçosa e, com isso, ter que suportar uns dois ou três meses na geladeira.

Tenho certeza de que você tem o seu próprio “checklist” de coisas para prestar atenção, e outra, com as coisas que você já viu pessoas fazerem que te fez balançar a cabeça em reflexão.

É inegável que queremos conseguir melhores colocações profissionais, mas, salve melhor juízo, para isso devemos prestar atenção aos 7 itens acima (e outros aqui não listados).

Se você ficar longe desses maus hábitos e agregar valor à sua posição, é provável que você consiga galgar níveis e obter as melhores colocações profissionais. Lembre-se que sempre haverá pessoas acima e abaixo de você, e colegas em seu nível, na hierarquia da sua “GIG” e ou locadora.

Ajudar essas pessoas a fazerem o seu trabalho vai resultar positivamente e fazer com que você suba níveis em sua escalada profissional, tudo em seu devido tempo.

Agora, vamos chegar lá com respeito aos colegas de profissão e proatividade.

Karl Winkler é diretor de desenvolvimento de negócios para Lectrosonics e trabalhou em áudio profissional há mais de 15 anos.
Texto original CLIQUE AQUI publicado no site Prosoundweb
Traduzido e adaptado por Lazzaro
Agradeço a Eder Moura pela ajuda na tradução e Mauricio Pinto pela revisão

Valores

Esse assunto sempre me fascinou nos vários sentidos da palavra VALOR , sempre me pego comparando alguns valores, camisetas são um bom exemplo para entender este complexo assunto que se estende por todas áreas da nossa vida.

Não vamos confundir valor com preço. Preço é o que se paga por algo , já valor é o que você agrega a um produto ou serviço que muitas vezes vai além do preço pago.

Uma camiseta básica sem estampa custa uma dezena de reais, mas se você for a uma loja de grife a mesma camiseta básica pode custar uma centena de reais, o que faz o mesmo item basicamente falando ter uma diferença tão grande de preços, e não pense que a tal camiseta tem essas frescuras de marketing tipo “algodão egípcio”  ou “malha de 300 fios” nada disso a realidade o que as diferencia e o que se chama valor agregado, ou seja a marca que se colocou na camiseta.

Pulando das analogias para vida pratica vemos situações parecidas entre locadoras e mesmo profissionais das mais diversas áreas do show business  Criar e manter a sua marca leva tempo e dinheiro. Mas na contramão dessa linha de pensamento vemos muitas vezes empresas e profissionais leiloando seus serviços pelo menor preço que leva ao que eu chamo de espiral suicida em que empresas e profissionais extrapolam o limite de custos e lucros, quase zerando essa equação impedindo como eu falei no inicio de agregar valores a sua marca e ou produto.

O mercado em si quer ter o status da marca , podemos ver situações e eventos que precisam colocar o profissional fulano ou a empresa tal para dar tranqüilidade aos seus clientes, para isso na planilha de custos desse evento o custo desse profissional ou empresa e ponderado e pago. Também existem situações opostas em que a produção e ou evento tem um custo X para gastar e as empresas e profissionais brigam entre si  oferecendo preços menores para fazer o mesmo serviço esta produção usa a diferença entre o custo previsto na planilha e o preço pago para pagar outro item da planilha ou esta economia entra no lucro.

Portando profissionais e empresas se deem o valor , repensem a qualidade de seus serviços e não confundam valor agregado com dar mais por menos e sim em dar qualidade ao seu produto ou serviço. Coisas como confiança e tranquilidade não entram em nenhuma planilha de custos mas o cliente precisa delas, e muitas vezes estão numa equação na qual o valor pago irá valer a pena mesmo que seja acima da média de mercado. Construir sua marca empresarial e ou pessoal baseada em valores irá fazer a diferença no mercado competitivo atual. Pensem sobre isto.